Sobre: Eventos

Oiii Bia,

Sabia que a primeira vez que eu tive real interesse pela arte de rua foi quando estivemos juntas na Europa e fizemos nossa viagem pra Berlim?

Pois é…parece irônico eu ter que sair de São Paulo, berço do grafite brasileiro, para entender a importância de tal intervenção artística, mas às vezes nós só conseguimos enxergar nossa casa, nosso espaço e quem somos quando nos distanciamos um pouco.

Hoje resolvi te contar um pouquinho sobre um evento que acontece todos os anos na zona leste da cidade de São Paulo. O Arte e Cultura na Kebrada foi um dos temas principais do meu trabalho de conclusão de curso, e esse ano no dia 30 de agosto aconteceu sua 9ª edição.

O evento acontece no bairro Jardim Maia em São Miguel Paulista e é realizado por meio do apoio do programa VAI (Valorização de Iniciativas Culturais) da Prefeitura de São Paulo, além de outros patrocinadores, como fornecedores de tintas e sprays etc.

O evento começou a partir de ações isoladas de grafiteiros em um pequeno espaço da Rua Jacarandá Rosa, com o tempo foi crescendo e hoje conta com a presença de artistas dos 4 elementos do hip hop: dançarinos (break), DJs, MCs e grafiteiros.

Esse ano cerca de 300 grafiteiros fizeram seu trabalho ao longo de oito quarteirões consecutivos, além de ruas paralelas e travessas!

Além de apresentações, o local conta com brinquedos e jogos para as crianças, que são em sua maioria moradoras da região. Muitos espaços em muros são disponibilizados para que elas também possam grafitar.

.

Arte e cultura na kebrada 2

Fonte: Acervo pessoal.

 

Arte e cultura na kebrada 4

Fonte: Acervo pessoal.

 

Para mim foi incrível ver adolescentes e crianças soltarem a imaginação pelos muros do local! Ações assim deveriam ser mais incentivadas =D

Os moradores da região passaram por um processo de aceitação e compreensão do grafite e hoje a grande maioria deles o apoia e o evento só acontece por causa disso. Muitos entenderam a importância de tais intervenções e, além de começarem a participar das atividades do evento, realizam quando necessário a manutenção de seus muros, rebocando e alisando-os para que a arte possa ser feita.

O Arte e Cultura na Kebrada traz arte e vida para uma região que não possui acesso a museus e centros culturais. O graffiti é uma possibilidade e oportunidade de integração na periferia, e por isso deve ser tratado com a mesma importância com a qual equipamentos de lazer, muitas vezes excludentes e não democráticos, o são.

Além disso, o evento contribui para a renda de muitas famílias que aproveitam do cenário criado e do público para vender em barracas comidas e bebidas durante o dia todo, o que permite uma maior credibilidade ao evento pela comunidade, que vê não só resultados artísticos e de integração, mas também possibilidades de lucro e participação.

O Arte e Cultura na Kebrada tenta contemplar todos os tipos de pessoas das mais variadas idades e ao oferecer arte, livros, atividades recreativas etc aos habitantes, os mesmos criam uma relação de integração com a rua, que se destaca como espaço de lazer e vida social. Ao conversar com o grafiteiro Sato, o mesmo destacou que ao resignificar o espaço público a autoestima de quem vive no local aumenta.

 

Arte e cultura na kebrada 3

Mapa das áreas do evento e respectivas programações. Fonte: Página Facebook “Arte e Cultura na Kebrada”.

 

Manulo, um dos grafiteiros responsáveis pela organização do evento, espera a cada edição por um público maior e destaca como um dos objetivos trazer a população participante para o debate, para a discussão sobre o que é graffiti, o que é arte de rua, o que é pichação, lambe-lambe etc. Segundo ele a Zona Leste é chamada há mais de dez anos de bairro dormitório por ser uma região abandonada e o evento vem para trazer e espalhar a arte, fazer a cena cultural acontecer na região e se expandir.

Duas adolescentes que entrevistei no evento de 2014 sobre os benefícios do grafite no bairro apontaram para a visibilidade que ele proporciona ao deixar a “quebrada” mais bonita, “é como se trouxesse a arte para as pessoas que não têm, porque geralmente aqui onde a gente está é bem esquecido”.

Sei que você também acredita no poder de ações culturais e artísticas e ver a dimensão que este evento tem tomado e a integração que existe entre os participantes me deixa muito feliz, pois em nenhum outro evento que já fui vi crianças, adultos e idosos interagindo entre si e com a arte dessa maneira. A cultura é absorvida por todos e todos transmitem cultura.

Podemos ir na edição do ano que vem juntas, o que acha?

Beijo,

Ingrid

Escrito por Ingrid

Ingrid, 23 anos, formada em Turismo pela ECA/USP tem como paixão a cultura brasileira e italiana. Morou um ano em Roma, onde estudou antropologia e cinema italiano. Apaixonada pelas sete artes, desenha, escreve e pinta nas horas vagas. Porém o cinema é o seu grande amor. Curiosa, adora entender novas culturas e costumes. Natural de Piracicaba, SP, porém atualmente vive em São Paulo, capital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *